3 dicas de headhunters para jovens compliance officers

Business people shaking hands, finishing up a meeting

O mercado continua aquecido para os profissionais de compliance. Embora muitas empresas já tenham estabelecido as bases dos seus programas, ainda existem muitas outras dando os primeiros passos na área. Além disso, muitas companhias que já contam com programas de compliance rodando, estão ampliando suas estruturas e contratando mais gente para dar conta do recado.

Como há desequilíbrio entre a demanda por profissionais qualificados e a disponibilidade deles, ainda existe um bom espaço para a contratação de jovens profissionais para ocupar essas novas vagas na área.

javi_indy / Freepik

Isso não torna a contratação para essas vagas um processo mais fácil ou menos rigoroso. É preciso demonstrar que, ainda que não possua tanta vivência na área, o entrevistado tem as características e o potencial para se desenvolver naquela função e contribuir para o sucesso do programa de compliance da empresa não só no curto mas também a médio e a longo prazo.

Para saber como se comportar numa entrevista de emprego com um potencial contratante, o Blog LEC perguntou a três headhunters com grande vivência na área de compliance quais dicas eles dariam para um jovem profissional que está iniciando sua carreira. Confira abaixo as respostas.

Camila Dable, Associate Mananger na Salomon, Azzi

Nesse contexto onde o profissional está iniciando a carreira na área é importantíssimo que demonstre em entrevista que possui postura ética e retidão para ser um compliance officer. Além disso, é preciso demonstrar o conhecimento em princípios e assuntos básicos de compliance e que essa opção de carreira é uma decisão e não uma falta de opção.

Maria Eduarda Silveira, Gerente de Recrutamento na Robert Half

Estudar o segmento e os maiores desafios daquela empresa pode ser um grande diferencial, porque a conversa tende a fluir melhor durante a entrevista. Conversar com profissionais da área e entender como funciona a realidade do trabalho, indo além da ideia só teórica do compliance, também pode ajuda-lo a esclarecer muitas coisas e a dar exemplos mais concretos. E, hoje em dia, você tem muitos  eventos dentro da área. Participar desses eventos, conhecer pessoas e se engajar de uma forma efetiva com profissionais que estão praticando compliance dentro das empresas pode ser bem interessante para quem está começando.

Raul Cury Neto, sócio-gerente na Vittore Partners

Importante ressaltar as experiências profissionais anteriores, ainda que não sejam da área, para demonstrar credibilidade e segurança técnica no exercício de suas funções passadas e atuais. Ser o mais transparente possível quanto à ausência de experiência na área de compliance. Sua vontade e interesse em desenvolvimento não devem, em nenhum momento, ser objetos de questionamento por parte do contratante. Ainda que o profissional não tenha tido experiência prática na área, é necessário que ele se prepare (pelo menos na teoria) quanto ao tema compliance e seus principais pilares para que haja um mínimo de troca com o entrevistador. Além disso, sugiro que todos os profissionais que têm interesse de ingressar em compliance (independentemente de terem ou não entrevista de trabalho), antes de qualquer coisa, tenham ampla noção da rotina e das principais atribuições de um compliance officer para saber se têm perfil ou não. Digo isso, pois na minha visão qualquer profissional que queira ingressar nesse mercado precisa ter dois características fundamentais: perfil e inglês fluente.

Compartilhe