Moro, Bretas e Gonsales discutem compliance em evento da Petrobras

Evento reuniu a diretoria e os principais executivos da empresa no auditório da sede da estatal no Rio de JaneiroAlessandra Gonsales, sócia-fundadora da LEC, mediou painel com a participação dos juízes Sérgio Moro e Marcelo Bretas

Parte dos esforços da Petrobras na construção de sua nova cultura de transparência e ética, a companhia realizou na última sexta-feira, 8, a quarta edição do Petrobras em Compliance.

Da esq. para a dir.: o juiz Sério Moro, Alessandra Gonsales, da LEC, Cláudia Taya, da CGU, e o magistrado Marcelo Bretas

O evento reuniu dezenas de profissionais do alto escalão da companhia, incluindo o chairman, Luiz Nelson Guedes de Carvalho, e o CEO, Pedro Parente. A secretária de Transparência e Combate à Corrupção da CGU, Cláudia Taya, e os juízes federais Marcelo Bretas e Sérgio Moro também participaram do evento, que foi transmitido para funcionários de todas as unidades da companhia.

Pedro Parente destacou que a Petrobras conseguiu, num período de apenas três anos, construir um sistema de governança e compliance com práticas e processos entre os mais modernos do mundo. A empresa foi eleita a dona da melhor governança dentre as estatais listadas na Bolsa e a empresa estatal melhor avaliada pelo governo federal em termos de transparência. Parente disse que hoje a Petrobras já se permite discutir como conciliar a segurança nos processos de compliance com a velocidade e a simplicidade na tomadas de decisões.

Já o diretor de Governança, Risco e Compliace, João Elek, elencou os avanços alcançados pela empresa no decorrer dos últimos três anos, incluindo o estabelecimento do canal de denúncias independente e a criação de diversos comitês, que apoiam a tomada de decisão  do alto comando da empresa. Elek também destacou que hoje os temas de compliance permeiam todas as camadas da governança da estatal.

Os juízes Marcelo Bretas e Sérgio Moro compartilharam com os presentes suas experiências recentes, perspectivas e sugestões para tornar o ambiente de negócios das empresas menos exposto à corrupção. Cláudia Taya, da CGU, abordou as iniciativas do órgão de controle federal na disseminação de boas práticas de compliance entre as empresas brasileiras.

Fechando o evento, a sócia-fundadora da LEC Alessandra Gonsales mediou um painel de debates com a participação dos três convidados, intervenções de Pedro Parente e perguntas realizadas pelos funcionários da Petrobras.

Compartilhe